Ao procurar um apartamento para morar, é comum analisar, além das características do imóvel — como espaço e conforto — e dos benefícios que o prédio pode oferecer — como áreas de lazer —, se o bairro é seguro ou não.

Essa preocupação é frequente e totalmente compreensível, pois você sempre colocará o bem-estar e a tranquilidade da sua família em 1º lugar.

Por conta disso, é de suma importância pesquisar e conferir se a região que você considera para morar pode atender às suas expectativas. Isto é, de preservar a integridade física e psicológica de todos, proporcionar qualidade de vida e, de quebra, trazer mais praticidade e comodidade para a sua rotina, otimizando, assim, o seu tempo.

Foi pensando nisso que reunimos 5 dicas para te ajudar nessa missão e garantir que a sua decisão seja a mais adequada possível. Confira:

1. Faça visitas ao bairro em diferentes horários

Para começar, não se precipite ao escolher o imóvel. Ao contrário, dê a devida importância a esse passo tão importante na sua vida e use a cautela ao seu favor fazendo não apenas uma, mas sim várias visitas ao bairro.

Vá, por exemplo, em períodos distintos da manhã, da tarde e, é claro, da noite, e redobre sua atenção aos detalhes ao seu redor para que nada passe despercebido em cada um desses momentos.

Essa tática simples e eficaz permite conferir se a região sofre com extremos, ou seja, de manhã possui fluxo intenso de pessoas, trânsito e comércios abertos e à noite seja pouco movimentada, mal-iluminada e sem serviços por perto — o que pode afetar e limitar as suas atividades diárias.

Além disso, ela também vai te ajudar a descobrir se há estabelecimentos noturnos, como bares, pubs e boates ao redor do imóvel que podem tornar a movimentação na região muito intensa, especialmente nos fins de semana, e incomodar os seus momentos de descanso e de lazer em família.

2. Busque comércios ao redor

Ao visitar a região, aproveite para pesquisar se há uma grande ou uma pequena presença de comércios nas áreas próximas ao imóvel, como:

  • academias;

  • bancos;

  • escolas;

  • farmácias;

  • hospitais;

  • padarias;

  • restaurantes;

  • supermercados;

  • entre outros.

Todas essas alternativas, além de facilitar a sua rotina e otimizar o seu tempo, também trazem benefícios para a sua segurança.

Isso se deve ao fato de que muitos desses estabelecimentos continuam a oferecer os seus serviços durante a noite — em alguns casos, muitos deles são especificamente noturnos e outros até são 24 horas — e acabam promovendo o fluxo de pessoas além do horário comercial.

Sem mencionar, é claro, que eles dispõem de segurança privada, com funcionários especializados e equipamentos tecnológicos, que cobrem não apenas o espaço onde atuam, mas também as redondezas. Por conta disso, inibem a presença e a ação de vândalos.

3. Informe-se sobre a oferta de transporte público na região

Além das dicas anteriores, não deixe de se informar sobre o serviço de transporte público no bairro. Mesmo que você não venha a utilizá-lo no seu dia a dia, é importante saber se a região escolhida para morar é bem-atendida nesse aspecto.

Isso acontece porque ele influencia (e muito) o trânsito local, a rotina das pessoas que trabalham perto do imóvel e pode condicionar também a movimentação de pessoas nas ruas, tornando-as vazias especialmente à noite, caso não haja ônibus ou metrô para elas se locomoverem entre os bairros ou mesmo voltar para casa, por exemplo.

Portanto, procure saber onde há paradas e estações, como está o estado delas, quais linhas ambas atendem e como é o fluxo de gente em cada uma delas — se intenso em apenas alguns horários ou constante —, pois isso vai se refletir na sua rotina e na segurança da sua família ao sair de casa em horários menos movimentados.

4. Converse com a vizinhança para saber se o bairro é seguro

Outra sugestão simples e bastante útil para te ajudar a saber se o bairro é seguro é conversar com os vizinhos. Afinal, quem melhor do que eles para dizer sobre a real situação da região, não é mesmo?

Por isso, durante as suas visitas à região, busque falar com moradores, especialmente com os que já residem na área há mais tempo, e também com as pessoas que têm comércio perto do imóvel. Dessa forma, você terá diferentes percepções sobre o local e informações mais completas para chegar a uma decisão definitiva sobre se mudar ou não.

Você pode perguntar sobre:

  • os problemas estruturais do bairro;

  • a criminalidade e as outras formas de violência — como furtos, brigas e acidentes — tanto em residências quanto em estabelecimentos;

  • a movimentação noturna;

  • os espaços públicos de lazer e de confraternização da vizinhança;

  • e muito mais.

Inclusive, esse bate-papo pode servir como parâmetro para saber se a região tem evoluído e melhorado ao longo dos anos nas questões citadas acima ou se tem sido fonte de problemas cada vez mais frequentes que só diminuem e prejudicam a qualidade de vida de quem mora na localidade.

5. Analise a infraestrutura do bairro

Por fim, para verificar se o bairro é seguro, analise a sua infraestrutura. Isso é importante porque uma região que não é bem-assistida nesse aspecto favorece o aumento da criminalidade na rotina do comércio local e dos moradores.

Por esse motivo, ao visitar a localidade, preste atenção à iluminação pública, tanto na rua quanto em praças e parques, para saber se ela funciona adequadamente. Além disso, informe-se sobre a coleta de lixo para saber se ela ocorre periodicamente para que não haja entulhos bloqueando ruelas e calçadas.

Outro ponto a se observar é se há no bairro terrenos baldios ou cantos utilizados como despejo de materiais de construção, móveis quebrados e outros objetos que possam funcionar como esconderijo ou passagem para a ação de marginais.

Seguindo todas as nossas dicas, você vai conseguir atestar se um bairro é seguro ou não e se ele é, de fato, a melhor opção para a sua família. Afinal, você merece um local que proporcione mais qualidade de vida, bem-estar e comodidade no dia a dia.

Se você gostou deste post, aproveite para ler sobre o que avaliar ao escolher um imóvel!