A compra de apartamento é um processo que exige muita atenção e cuidado, afinal, esse será o local onde você passará boa parte da sua vida. Porém, os futuros moradores ainda têm muitas dúvidas nesse momento, especialmente quando o assunto é planta inteligente.

Se você está pensando em comprar apartamento na planta, esse fator se torna ainda mais importante — afinal, é preciso compreender a planta para verificar se o imóvel está de acordo com as suas necessidades!

Seria uma maravilha se você pudesse compreender a planta do apartamento e alterá-la, concorda? Então continue sua leitura e mude já sua maneira de ler uma planta baixa!

Entenda o que é uma planta inteligente

A planta inteligente é um desenho técnico que contém todas as informações do imóvel projetado. Nela, são retratados os ambientes, com as suas medidas reais de largura e comprimento em escala, além das especificações das portas e janelas, com largura e altura. Contém ainda a disposição dos móveis, bem como as medidas destes.

Imagine que uma serra elétrica cortou seu apartamento a uma altura de 1,5m acima do piso e que você está visualizando-o por cima desse corte: essa é a planta inteligente.

Com ela, fica mais fácil compreender as dimensões dos cômodos e como eles vão estar dispostos, além de descomplicar o processo de dimensionamento dos móveis.

Aprenda a interpretar a planta inteligente

Com toda a quantidade de informações que a planta baixa contém, fica fácil compreender a sua importância na compra de um apartamento. Com ela, é possível verificar as dimensões exatas de cada cômodo, facilitando o processo de alocação dos móveis, além de otimizar o espaço, para que eles se encaixem da melhor maneira possível.

Porém, com a quantidade de informações da planta inteligente, fica também fácil se confundir e analisar dados que não são úteis, deixando aqueles mais cruciais de lado. Então, o que realmente vale a pena avaliar em uma planta? Para encontrar as respostas, continue sua leitura!

Escalas

Esse é um ponto crucial para a análise da planta inteligente — afinal, as escalas correspondem ao tamanho de todos os ambientes e do projeto como um todo! Porém, como não é possível fazer a representação das medidas reais, esse artifício é usado para facilitar o desenho e permitir que se possa visualizar melhor a dimensão dos ambientes.

A escala usada para as plantas é feita de maneira reduzida, ou seja, as medidas são menores quando comparadas à realidade. A redução é feita de forma proporcional, permitindo uma análise realista.

Para que você possa entender melhor, vamos exemplificar: a escala usada em plantas baixas é, em geral, 1:100. Isso quer dizer que cada centímetro representado no desenho será correspondente a 100 centímetros do imóvel, ou seja, 1 metro linear do cômodo ou do imóvel.

Porém, não é preciso se preocupar em fazer inúmeras contas para verificar qual o tamanho real dos cômodos: as plantas contêm as cotas, que são as medidas verdadeiras de cada ambiente.

Tamanho dos cômodos

A planta inteligente é um desenho que fornece a visão geral do imóvel, com a totalidade de dados necessários para que ele seja construído sem nenhum obstáculo. Agora que você já sabe como fazer a análise da escala, fica ainda mais fácil compreender quais são as dimensões reais dos cômodos.

Esse é um fator extremamente importante para garantir o bem-estar e conforto do futuro morador — afinal, esses ambientes devem ter as dimensões apropriadas para cumprir de maneira eficiente a função à qual forem destinados.

Por isso, analise com cuidado as medidas de cada cômodo da planta inteligente, evitando surpresas desagradáveis após a conclusão do projeto — imagine um quarto que não comporte uma cama e um guarda-roupa!

Verifique se é possível alterar a dimensão dos ambientes

Imagine que, depois de fazer uma análise da dimensão dos cômodos do imóvel, você não concorde com elas. O que fazer? A grande maioria dos projetos permite que se altere o tamanho dos ambientes com o intuito de adequá-los às necessidades do morador.

Porém, é importante verificar se isso é realmente possível, pois, caso contrário, você vai ser obrigado a ficar em um imóvel que não atende às suas necessidades, gerando desconforto e problemas maiores.

Áreas pouco úteis

Imagine que a planta baixa do seu imóvel tenha dois quartos e um escritório, porém, você não pretende trabalhar em casa e tem três filhos. Assim, o projeto desenvolvido acaba não atendendo às suas necessidades, pois, mesmo que os cômodos tenham tamanhos adequados, eles não cumprem os requisitos necessários para o seu bem-estar.

Esses ambientes podem ser considerados sem utilidade para o futuro morador, que deve procurar uma maneira de realocar esse espaço.

Não é preciso fazer o cálculo das dimensões do ambiente ou tentar modificá-lo por conta própria. Você deve somente buscar compreender a planta inteligente como um todo e encontrar uma funcionalidade para o cômodo ou até mesmo retirá-lo do projeto. Após isso, converse com o profissional responsável e busque em conjunto encontrar uma solução que seja viável para ambas as partes.

Disposição dos móveis

A planta inteligente não conta somente com as dimensões dos cômodos e suas divisões, mas nela também é possível fazer um esboço do ambiente já com os móveis. Apesar de parecer uma tarefa de pouca utilidade à primeira vista, esse é um elemento extremamente importante e não deve ser deixado de lado!

Imagine que você já possua um sofá para a sua sala de estar, porém, no final das obras, perceba que ele não se encaixa no ambiente. Esse é um problema que pode ser evitado com a análise da planta baixa do imóvel já com a disposição dos móveis.

Assim, é possível verificar qual a versão final do projeto, comparando se o que foi proposto realmente atende às suas pretensões e pode ser realizado dessa maneira.

Analise condições de ventilação e iluminação

Você já fez a análise da sua planta inteligente, verificou as dimensões dos ambientes, analisou a funcionalidade dos cômodos e fez a disposição dos móveis. Tudo pronto para o início da obra, correto? Ainda não! É preciso avaliar mais um fator: as condições de ventilação e iluminação dos ambientes.

Mesmo que você não tenha total compreensão sobre o assunto, é importante analisar esses elementos, pois eles são essenciais para o conforto do morador. Peça ao profissional um auxílio e verifique, por exemplo, se as janelas se encontram voltadas para o local de onde vem mais iluminação ao longo do dia.

Assim, é possível utilizar a iluminação natural no ambiente, o que resulta em vários benefícios, como redução na conta de energia.

Não se esqueça também de verificar como está o aproveitamento da ventilação natural. Isso pode ser feito por meio da análise do posicionamento de vãos, janelas e portas — elementos que devem ser posicionados em paredes opostas ou adjacentes e na direção dos ventos.

E aí, gostou das nossas dicas sobre a planta inteligente? Agora você pode realizar a compra de apartamento com tranquilidade, sem se preocupar com a possibilidade de problemas causados por uma má análise do projeto! Aproveite seus novos conhecimentos e conheça nossos empreendimentos!

Conheça o novo lançamento da Construtora Planeta: o casa em condomínio horizontal Bellagio Residence!